← Back Published on

INCA estima que mais de 6 mil homens sejam diagnosticados com câncer de próstata em Minas Gerais, em 2022

Médico oncologista alerta para os fatores de risco e a importância da descoberta em fase inicial

A campanha “Novembro Azul” tem o objetivo de conscientizar sobre a importância do combate ao câncer de próstata. Segundo tipo de câncer mais frequente em Minas Gerais, atrás somente do câncer de pele não melanoma, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima que 6.420 novos casos sejam registrados no estado mineiro, em 2022.

A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, que pesa cerca de 20 gramas e está localizada abaixo da bexiga. A função da próstata é produzir o fluído que protege e nutre os espermatozoides no sêmen, tornando-o mais líquido. Logo atrás da próstata, estão as glândulas denominadas vesículas seminais, que produzem a maior parte do líquido para o sêmen.

De acordo com o Ministério da Saúde, de 2019 a 2021, foram registradas mais de 47 mil mortes em razão desse tipo de tumor.

O oncologista Thayles Vinícius Moraes, responsável técnico pela unidade de Oncologia do Hospital Metropolitano Vale do Aço (HMVA), localizado em Coronel Fabriciano (MG), alerta sobre a importância dos exames periódicos para diagnóstico precoce da doença, que muitas vezes é silenciosa.

“Em nossa unidade de oncologia, atendemos atualmente 63 pacientes com algum tipo de câncer, destes quase 40% tratam câncer de próstata, o que aponta alta incidência na região”, alerta o médico. “Por isso, é fundamental que os homens realizem o monitoramento constante, pois quando descoberto no início, as chances de cura superam os 90%”, complementa o profissional.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que os homens façam exames de próstata periodicamente a partir dos 50 anos.

O oncologista do HMVA chama atenção para alguns sinais de alerta, que precisam ser observados pelos homens, como vontade de urinar frequentemente à noite e a presença de sangue na urina.

“Quando os sintomas da doença são percebidos, geralmente o tumor já está em fase avançada, portanto, é fundamental buscar atendimento médico; seja com um bom clínico, urologista ou oncologista, para definição do melhor momento de se iniciar a realização dos exames de rastreio e prevenção”, reforça.

O tratamento do câncer de próstata é multidisciplinar (envolve algumas especialidades médicas); sendo que a base do tratamento envolve a cirurgia (Prostatectomia), a radioterapia (tratamento com irradiação), hormonioterapia, e em alguns casos de doença mais avançada, a quimioterapia.

A unidade atende pacientes residentes em 14 municípios da região e realizou este ano cerca de 900 sessões de quimioterapia.

Fatores de risco

O médico alerta para alguns fatores que merecem atenção da população masculina, para garantir a prevenção do câncer de próstata:

Idade: é raro em homens com menos de 40, mas a chance de ter câncer de próstata aumenta rapidamente após os 50 anos;

Histórico familiar: ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata pode aumentar o risco de desenvolver a doença;

Alterações genéticas: podem aumentar o risco de desenvolver mais do que um tipo de câncer;

Dieta: ainda em estudo, mas homens que consomem muita carne vermelha ou laticínios ricos em gordura e poucas frutas e legumes, possuem uma chance maior de desenvolvimento da doença;

Inflamação da próstata: alguns estudos têm sugerido que a prostatite (inflamação da próstata) pode ser associada a um risco aumentado de câncer de próstata. A inflamação é muitas vezes diagnosticada em amostras de tecido da próstata;

Infecções sexualmente transmissíveis: infecções como gonorreia ou clamídia, podem aumentar o risco de câncer de próstata, possivelmente levando a inflamação da próstata. Até agora, os estudos não são conclusivos.